Notícias e Informativos

CPIs da Enel e da SABESP avançam na Câmara de Carapicuíba

  • Fonte: Assessoria de Imprensa
  • Publicado em: 13/07/2021
  • Assunto: Administração

A Câmara Municipal de Carapicuíba deu prosseguimento essa semana às duas Comissões Parlamentares de Inquérito (CPI) instauradas na cidade a fim de apurar problemas junto às concessionárias Sabesp e ENEL. Ambas as comissões são presididas pelo vereador Fabinho Reis (PSDB) e contam com a participação de outros parlamentares da Casa.

Sabesp
Na quarta-feira (7), aconteceu mais uma reunião da CPI da Sabesp, quando foram colocados em pauta os serviços realizados pelas empresas terceirizadas da Companhia e problemas na comunicação entre a Sabesp e a Prefeitura. Representando a concessionária estiveram presentes os gerentes Valdiney Custódio, Amauri Moraes Reis e Lilian Rouse; bem como a funcionária administrativa Tânia Pereira. Além de Fabinho, também participaram os vereadores Álvaro Abílio (DEM), Nil do Ariston (DEM) e Bruno Marino (PT). Outra presença importante foi do diretor do PROCON de Carapicuíba, Evandro Xavier.

ENEL
Já na quinta-feira (8), foi a vez de tratar das questões referentes à ENEL, empresa responsável pelo fornecimento de energia elétrica na cidade. Estiveram presentes os vereadores Fabinho Reis, Prof. Batata (PSC), Prof. Naldo (PT), Bruno Marino (PT) e Álvaro Abílio (DEM), bem como o presidente do PROCON, Evandro Xavier. No entanto, apesar de ter sido formalmente convidada pela Câmara no dia 21 de junho, a companhia não enviou representantes para o encontro, nem justificou sua ausência.

“Com esta atitude, a ENEL demonstra todo o seu pouco caso tanto com esta Casa quanto com a população de Carapicuíba. Essa CPI precisava mesmo ser aberta para cobrar pelos maus serviços prestado e o desrespeito da companhia para com nosso município” avaliou Fabinho Reis.

De acordo com dados apresentados pelo PROCON, somente entre os dias 20 de março de 2020 e 31 de dezembro de 2020, foram registradas mais de 660 reclamações por serviços não prestados pela empresa. Dentre elas, 386 queixas por cobranças indevidas, sendo apenas quatro devidamente solucionadas pela ENEL.

A Câmara Municipal de Carapicuíba deu prosseguimento essa semana às duas Comissões Parlamentares de Inquéritos (CPI) instauradas na cidade a fim de apurar problemas junto às concessionárias Sabesp e ENEL. Ambas as comissões são presididas pelo vereador Fabinho Reis (PSDB) e contam com a participação de outros parlamentares da Casa.

Sabesp
Na quarta-feira (7), aconteceu mais uma reunião da CPI da Sabesp, quando foram colocadas em pauta os serviços realizados pelas empresas terceirizadas da Companhia e problemas na comunicação entre a Sabesp e a Prefeitura. Representando a concessionária estiveram presentes os gerentes Valdiney Custódio, Amauri Moraes Reis e Lilian Rouse; bem como a funcionária administrativa Tânia Pereira. Além de Fabinho, também participaram os vereadores Álvaro Abílio (DEM), Nil do Ariston (DEM) e Bruno Marino (PT). Outra presença importante foi do diretor do PROCON de Carapicuíba, Evandro Xavier.

ENEL
Já na quinta-feira (8), foi a vez de tratar das questões referentes à ENEL, empresa responsável pelo fornecimento de energia elétrica na cidade. Estiveram presentes os vereadores Fabinho Reis, Prof. Batata (PSC), Prof. Naldo (PT), Bruno Marino (PT) e Álvaro Abílio (DEM), bem como o presidente do PROCON, Evandro Xavier. No entanto, apesar de ter sido formalmente convidada pela Câmara no dia 21 de junho, a companhia não enviou representantes para o encontro, nem justificou sua ausência.

“Com esta atitude, a ENEL demonstra todo o seu pouco caso tanto com esta Casa quanto com a população de Carapicuíba. Essa CPI precisava mesmo ser aberta para cobrar pelos maus serviços prestado e o desrespeito da companhia para com nosso município” avaliou Fabinho Reis.

De acordo com dados apresentados pelo PROCON, somente entre os dias 20 de março de 2020 e 31 de dezembro de 2020, foram registradas mais de 600 reclamações por serviços não prestados pela empresa. Dentre elas, 386 queixas por cobranças indevidas, sendo apenas quatro devidamente solucionadas pela ENEL.